EMOÇÕES NO PUEPÉRIO

O puerpério é a fase pós-parto da mulher e compreende um período de até 8 semanas. Pode ser dividido em três partes: imediato, nos primeiros 10 dias e onde o corpo se esforça para se recuperar; tardio, vai de 11 a 25 dias e ocorre a recuperação da genitália materna e o remoto, onde acaba o sangramento e a mulher volta a ter função reprodutiva.

Acontece no puerpério intensas mudanças físicas e emocionais, oscilações hormonais e a mulher precisa lidar com os cuidados de um bebê recém-nascido em casa.

A concretização desse sonho é marcada por várias mudanças na rotina e vida da família para integrar esse filho e adaptar-se a ele.

Por ser um período de intensa turbulência emocional, a mulher necessita de todo o apoio possível do marido e familiares, para que assim enfrentem juntos os novos papéis de mãe e pai e a nova mãe tenha mais tranquilidade para se dedicar com inteireza aos cuidados da criança e à amamentação.

O período puerperal causa uma miscelânea de sentimentos ambíguos, como estar feliz e logo após insegura e deprimida. Isso afeta toda a dinâmica familiar, relações entre o casal e precisa ser bem compreendido para ser enfrentado com paciência e apoio.

Há uma crença popular de que a gestação e puerpério são fases de plena satisfação, mas na verdade são momentos de transformação física e psíquica e conflitos emocionais, os quais deixam as mulheres mais vulneráveis a eventos estressantes, podem vir a ter depressão, que é diferente de “tristeza pós-parto”.

A tristeza pós-parto ocorre no primeiro mês e é passageira e não prejudica o funcionamento mãe-bebê.

A depressão pós-parto se desenvolve por semanas ou meses, a mulher apresenta-se apática, triste, ausente e pode descuidar dela e do bebê.

O atendimento psicológico no puerpério é de grande importância para ajudar na estabilização e adequação da relação da mãe com seu bebê, compreender seus momentos emocionais e propiciar suporte na formação de sua nova função de mãe.